Membros / Amigos

Conheça mais de nossas Postagens

Research - Digite uma palavra ou assunto e Pesquise aqui no Blog

Carregando...

domingo, 26 de janeiro de 2014

As Três Árvores


Esta é uma Reflexão que poderá ser encontrada facilmente em pesquisas na internet. Mas, em certa ocasião, foi apresentada na Igreja (forte abraço aos meus amigos e irmãos em Cristo Diácono Carlos e sua esposa irmã Selma).

Nosso departamento de crianças foi o instrumento de Deus naquele dia para transmitir a mensagem e confesso, foi maravilhoso.

Uma simples e importantíssima "fabula" que vale a pena deixar exposta em nosso espaço "Aqui eu Aprendi!". 

REFLEXÃO
Imaginemos, no alto de uma montanha, três pequenas árvores que sonhavam com o que seriam depois que crescessem; logo que ficassem grandes...

A imaginação floresceu e elas comentavam, sonhavam com o maravilhoso futuro. Assim, conversavam elas: 
A primeira, olhando as estrelas brilhando no céu dizia que queria ser o baú mais precioso do mundo, cheio de tesouros.
A segunda, levando seu olhar para um lindo rio que cruzava o local, dizia que queria ser um grande navio para transportar reis e rainhas.
A terceira árvore dizia que gostaria de ficar ali mesmo, permanecer no alto da montanha e crescer, crescer tanto que as pessoas quando olhassem para ela, levantassem seus olhos e pensassem em Deus.

Bem! O tempo foi passando!
As árvores crescendo com aqueles lindos sonhos!

Muitos anos se passaram, e certo dia vieram os lenhadores prontos para executarem seu serviço.
Muito ansiosas, as árvores já começaram a imaginar que seria aquilo que tanto sonhavam quando pequenas.
Mas, infelizmente, os lenhadores não entenderam seus sonhos! 

A primeira árvore acabou sendo transformada num cocho de animais coberto de feno.
A segunda virou um simples barco de pesca carregando pessoas e peixes, pra lá e pra cá, todos os dias.
A terceira árvore, mesmo sonhando em ficar no alto de uma montanha, acabou cortada em grossas vigas e colocada de lado num depósito.

E, logo chegaram os pensamentos "desencorajadores". A decepção invade o pensamento. Nisso as três árvores começam a meditar muito.
Tristes demais com os acontecimentos, se questionam:
- Para que isso? Por que passar por isso? 
O silencio toma conta da situação!

Mas numa certa noite, cheia de luz e estrelas, uma jovem mulher colocou seu bebe recém-nascido naquele cocho de animais e de repente a primeira árvore percebeu que continha o maior tesouro do mundo.

A segunda árvore anos mais tarde acabou transportando um homem que acabou dormindo no barco, mas quando a tempestade quase afundou o pequeno barco o homem levantou-se e disse ao mar e ao vento revolto: - "Aquieta-se.... Acalma-te..."; então a segunda árvore entendeu que estava carregando o Rei dos reis, o Rei dos céus e da terra.

Tempos mais tarde, numa sexta-feira, a terceira árvore espantou-se quando suas vigas foram unidas em forma de cruz e um homem foi pregado nela, pois fora condenado a morte mesmo sendo inocente.
Logo, sentiu-se horrível e cruel. 
Mas no Domingo, o mundo vibrou de alegria e a terceira árvore entendeu que nela havia sido pregado um homem para a salvação da humanidade, e que as pessoas sempre se lembrariam de Deus e de seu filho Jesus Cristo ao olharem para ela.
texto adaptado

Como as árvores, nós temos sonhos, muitos sonhos....
Precisamos crer que, apesar de muitas vezes os nossos planos não coincidirem com os planos que Deus tem para cada um de nós, "sempre" seremos surpreendidos pelo nosso Deus com Sua Bondade, Generosidade, Misericórdia e Amor.

Possamos compreender:
- Todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus!
"E sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito." Romanos 8:28

Deus está no controle de cada situação que acontece, e que acontecerá, em nossas vidas, pois o conjunto desses acontecimentos estão no total dominio do SENHOR.
Toda a autoridade está em Suas mãos! Aleluia! Jesus te ama muito!


"Nenhum mal atingirá o justo, mas os ímpios estão cobertos de problemas." Provérbios 12:21

"Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos." Isaías 55.8-9

Tenha Fé!
ELE sabe muito bem o que faz e, principalmente, o que é melhor para cada um de nós!

"Quem é aquele que manda, e assim acontece, sem que o Senhor o tenha ordenado?" Lamentações 3.37

Deus tem o melhor para ti, e o que perdido foi não se compara com o que há de vir!

"Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.”
Jeremias 29:11

Lembremos:
"sempre dando graças por tudo a Deus, o Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo,"
Efésios 5:20

”O coração do homem propõe o seu caminho; mas o Senhor lhe dirige os passos.”
Provérbios 16:9

 
Reflita nisto!
A realização dos sonhos das árvores foi muito maior do que elas imaginavam. Assim, nunca deixe de acreditar em seus sonhos, mesmo que sejam aparentemente impossíveis de se realizar. Deixe tudo nas mãos de Deus, Ele sabe realiza-los de uma forma infinitamente superior, acima das nossas expectativas.

“Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, a esse seja glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, 
para todo o sempre. Amém.”
Efésios 3:20

Aqui eu Aprendi!

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

A Poesia no Antigo e no Novo Testamento

"Andai em sabedoria para com os que estão de fora, usando bem cada oportunidade."

Aqui eu Aprendi!
Momento do Pregador!
Espaço especial para você que gosta de Pregar a Palavra de Deus (Jesus)
Estamos abrindo um espaço para o crescimento e conhecimento espiritual àqueles que desejam saber mais sobre alguns temas Teológicos.
Muitos Pregadores utilizam termos e palavras difíceis e isso, às vezes, assusta o ouvinte, mas muitas e muitas das vezes, as explicações esclarecem bastante o entendimento e ajuda muitíssimo.
Então estaremos nesse espaço, passando algumas informações que, espero muito, possa ajudar aos Pregadores da Palavra.
Certamente que não dará para expor todos os assuntos que são abordados em um Estudo Teológico, mas comentaremos alguns que, a meu ver, ajudaram muito a todos os que gostam do “saber”.

Estaremos abordando sobre os Livros Poéticos e iniciaremos com Jó (um grande abraço ao meu amigo em Cristo irmão Tony Oliveira de BH, que carinhosamente nos sugeriu esta abordagem. Um forte abraço aos amigos do Estado de Minas Gerais)

Mas, antes de entrarmos no Livro de Jó, vamos ver um pouco sobre a Poesia no Antigo Testamento e no Novo Testamento

Uma pequena Introdução aos Livros Poéticos
Poema é uma composição literária, geralmente em forma de versos, que expressa uma ideia ou um sentimento.

Os hebreus identificavam três grandes livros poéticos: Jó, Salmos e Provérbios.
Na Vulgata* estão também incluídos os livros didáticos, Eclesiastes e Cantares, perfazendo um total de cinco livros denominados poéticos.
Esses cinco foram mais tarde divididos em dois grupos denominados livros “de Sabedoria” e “Hinos”
- Três livros de sabedoria: Jó, Provérbios e Eclesiastes.
- Dois livros hínicos: Salmos e Cantares de Salomão

Características da Poesia
  • Rima: é o dispositivo literário de sons harmoniosos, desenvolvendo o ritmo pela ocorrência regular de terminações sonoras semelhantes.
  • Ritmo: é a regularidade do movimento em composição literária, desenvolvida pela recorrência da batida, pausa ou acento.
  • Expressão figurativa: faz analogias ou comparações por figuras de pensamentos.

A Poesia no Antigo e no Novo Testamento

Antigo Testamento
Em tempos muito antigos, a poesia tornou-se parte da literatura escrita dos Hebreus.
Muitos estudiosos acreditam que a Canção de Moises e a de Miriã (Êxodo 15.1-21), celebrando a destruição dos exercito de faraó no mar, é o hino ou obra poética mais antiga, datando talvez do século XII A.C.
Três das maiores obras primas poéticas do Antigo Testamento são:
- A Canção de Débora (Juízes 5);
- Hino ao Arco – lamentos de Davi sobre a morte de Saul e de Jônatas (2Samuel 1.17-27);
- e o Refrão de Nínive (Naum 1.10 - 3.19)

Cerca de 40% do Antigo Testamento é escrito em forma de poesia, incluindo livros inteiros (exceto seções curtas de prosa), tais como o livro de Jó, Salmos, Provérbios, Cantares de Salomão e Lamentações. Grande parte do livro de Isaias, Jeremias e dos Profetas Menores também é poética na forma e no conteúdo. Muitos pesquisadores consideram o livro de Jó não apenas como o maior poema no Antigo Testamento, mas também como um dos maiores em toda a literatura. As três principais divisões do Antigo Testamento –a Lei, os Profetas e os Escritos – contem sucessivamente poesia na sua maior parte.
Apenas sete livros do Antigo Testamento – Levítico, Rute, Esdras, Neemias, Ester, Ageu e Malaquias – parecem não ter estilo poético.

Elementos poéticos como assonância, aliteração, métrica e rima – tão comuns à poesia que conhecemos hoje – raramente ocorrem na poesia hebraica, pois não são elementos essências da poesia do A.T.  Em lugar disso, há o paralelismo, característica formal da poesia hebraica. É uma construção onde o conteúdo de uma linha é repetido, contrastado ou antecipado pelo conteúdo da próxima – um tipo de percepção rítmica caracterizada mais pela harmonia do pensamento do que pela ordem das palavras ou rima. Os três principais tipos de paralelismos encontrados na poesia bíblica são: o sinônimo, o antitético e o sintético.
  • Paralelismo Sinonímico: Segmento paralelo que repete uma ideia expressa no segmento anterior. Ocorre um tipo de paráfrase neste recurso: a segunda linha ratifica a mesma idéia da primeira, através do uso de expressões equivalentes. Exemplo: Salmos 51.2-3 “Lava-me completamente da minha iniqüidade/ e purifica-me do meu pecado./ Pois eu conheço as minhas transgressões,/ e o meu pecado está sempre diante de mim.” Veja também em Gênesis 4.23; Salmos 2.4; Salmos 24.1-3; Jeremias 17.10; Zacarias 9.9.
  • Paralelismo Antitético: Construção poética através da qual a ideia da primeira linha torna-se mais clara pelo contraste – pela oposição expressa na segunda linha. Exemplos dessa construção podem ser encontrados em Salmos 1.6 “Pois o SENHOR conhece o caminho dos justos,/ mas o caminho dos ímpios perecerá” Veja também em Salmos 34.10; Provérbios 14.1;  Provérbios 14.20.
  • Paralelismo Sintético: Construção poética que amplifica a ideia da primeira linha na segunda. Conhecido também como paralelismo climático ou cumulativo. Neste tipo de paralelismo, contudo, há uma progressão ascendente (ou descendente), um desenvolvimento da ideia, onde cada linha seguinte amplia a primeira. Eis um bom exemplo desse recurso poético: “Ele é como árvore/ plantada junto a correntes de águas,/ que, no devido tempo, dá o seu fruto,/ e cuja folhagem não murcha;/ e tudo quanto ele faz será bem sucedido” Salmos 1.3
Outra forma poética encontrada no Antigo Testamento é o Acróstico alfabético, empregado comumente no livro de Salmos (Sl 9.10; 25; 34; 37; 111; 112; 119; 145). Nos Salmos alfabéticos, a primeira linha começa com a primeira letra do alfabeto hebraico, a seguinte com a segunda e assim por diante, até que todas as letras do alfabeto tenham sido usadas. Assim, o Salmo 119 consiste de 22 grupos de 8 versos cada um. O número de grupos iguala-se ao de letras no alfabeto hebraico.

A primeira letra de cada verso dentro de um determinado grupo é (no texto original hebraico) aquela letra do alfabeto que corresponde à sua posição no grupo.
Muitas das sutilezas da poesia hebraica, como os trocadilhos e os vários jogos de palavras são praticamente intraduzíveis no inglês e só podem ser apreciados na sua totalidade por um talentoso estudioso hebreu. Felizmente, há muito bons comentaristas à disposição para explicar ao leigo as riquezas do pensamento hebraico.

A Bíblia está repleta de figuras de linguagem, tais como as metáforas e as comparações. Por exemplo, o salmista descreveu Deus metaforicamente, dizendo: “O SENHOR é a minha rocha, a minha cidadela, o meu libertador; o meu Deus, o meu rochedo em que me refugio; o meu escudo, a força da minha salvação, o meu baluarte” Salmos 18.2 
Moises, descrevendo o cuidado de Deus por Israel no deserto, fez esta extraordinária comparação: “Como a águia desperta a sua ninhada e voeja sobre os seus filhotes, estende as asas e, tomando-os, os leva sobre elas, assim, só o SENHOR o guiou, e não havia com ele deus estranho” Deuteronômio 32.11-12. 
Tais figuras de linguagem não devem ser interpretadas literalmente, mas como um simbolismo poético para Deus. Ele é o firme fundamento da vida e proteção sólida contra o mal. Os adoradores cantam de alegria por Sua presença protetora e pelo sublime poder de Seu amoroso cuidado.

no Novo Testamento
Pouquíssima poesia é encontrada no Novo Testamento, exceto as citadas do Antigo Testamento ou os hinos que eram incluídos nos serviços de adoração da igreja primitiva. 
As Bem-aventuranças (Mt 5.3-10;  Lc 6.20-26) têm uma forma poética definida. O evangelho de Lucas contém vários poemas longos: A profecia de Zacarias (Lc 1.68-79), conhecida como Benedictus (Bendito); a Canção de Maria (Lc 1.46-55), conhecida como Magnificat (Engrandece); a Canção Celestial (Lc 2.14), conhecida como Glória in excelsis (Glória nas alturas); e a Benção de Simeão (Lc 2.29-32), conhecida como Nunc dimittis (Agora despedes).

Também podem ser encontrados exemplos de paralelismo no N.T.
Por exemplo, ocorre paralelismo sinônimo em Mateus 7.6: “Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis ante os porcos as vossas pérolas”.
O paralelismo antitético pode ser percebido em Mateus 8.20: “As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”.
Já o paralelismo sintético ocorre no livro de João 6.32-33: “Não foi Moises quem vos deu o pão do céu; o verdadeiro pão do céu é meu Pai quem vos dá. Porque o pão de Deus é o que desce do céu e dá vida ao mundo”.

Muitas passagens poéticas são encontradas nos escritos do Apostolo Paulo: sua celebração lírica do amor eterno de Deus (Rm 8.31-39); seus cânticos clássicos de amor (ICo 13); sua fé gloriosa no triunfo da ressurreição (ICo 15.51-58); e seus conceitos sobre o Cristo humilhado e exaltado (Fp 2.5-11). Quem pode negar o sentimento poético nas palavras de Paulo aos Coríntios? “Em tudo somos atribulados, porem não angustiados; perplexos, porem não desanimados; perseguidos, porem não desamparados; abatidos, porem não destruídos” (2Co 4.8-9)

Vulgata*
é a tradução para o latim da Bíblia, escrita entre fins do século IV início do século V, por São Jerônimo, a pedido do bispo Dâmaso I, que foi usada pela Igreja Cristã e ainda é muito respeitada.
A Vulgata foi produzida para ser mais exata e mais fácil de compreender do que suas predecessoras. Foi a primeira, e por séculos a única, versão da Bíblia que verteu o Velho Testamento diretamente do hebraico e não da tradução grega conhecida como Septuaginta. 

"Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz.
Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai." Fp 2. 5-11

Fonte: Dicionário Ilustrado da Bíblia-Vida Nova; Bíblia de Estudo Pentecostal; Bíblia de Estudo Defesa da Fé; Bíblia de Estudo Nova Versão Internacional; Wikipédia.

Aqui eu Aprendi!

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Cerveja sem alcool, o cristão pode beber?

Chegou a cerveja sem álcool, agora o cristão pode beber a vontade?
Sem ressentimentos!
Sera mesmo?

Bem! A Palavra nos adverte:
"E falou o SENHOR a Arão, dizendo: Vinho ou bebida forte tu e teus filhos contigo não bebereis, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações, para fazer diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo, e para ensinar aos filhos de Israel todos os estatutos que o SENHOR lhes tem falado pela mão de Moisés." Levítico 10:9-11

Mas, aguarda ai pastor, diz você para mim; não sou sacerdote, era só naquele tempo!

Então, respondo que a Palavra também nos diz:
"E vós sereis para mim reino sacerdotal e nação santa." Êxodo 19:6
O povo de Deus foi chamado com "propósito"
Ao continuarmos a leitura da Palavra, no Novo Testamento, temos a revelação o Espírito Santo fala claramente através do Apostolo Pedro: "Vós sois linhagem escolhida, real sacerdócio, nação santa..." I Pedro 2:9
Em Apocalipse temos a confirmação:
"Ao que nos amou e nos lavou dos nossos pecados com o seu sangue, e nos fez reis e sacerdotes para Deus seu Pai" ("Fez-nos um reino de sacerdotes") (1:6).
Em seguida nos céus, em Apocalipse capítulo 5, diante do trono do Senhor, proclama-se a grande voz: "Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda tribo, e língua, e povo e nação; e para o nosso Deus os fizeste reino, e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra"
Glória Deus! Aleluia!

Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos.

A Paz do Senhor Jesus a todos.
Faço parte da UBE, União de Blogueiros Evangélicos e, ao participar de uma postagem (discussão) sobre cerveja sem álcool, o Espírito Santo me impulsionou a compartilhar aqui no Blog mais sobre este assunto tão polemizado.
(um forte abraço ao meu amigo em Cristo o "profetinha" do blog Vinde Arrazoemos)

Aqui eu Aprendi! - Declaro que, não sou de polemizar, mas com relação a questão, coloco-me como defensor da preservação de não ingerir qualquer tipo de bebida que contenha porções alcoólicas, e me vejo no direito de arrazoar que, os cristãos, polêmicos pela causa defendida (crente pode beber cerveja sem álcool, não tem nada não!), não conhecem e, ou, ignoram a diferença entre uma mudança de pensamento tão significativa como esta apresentada, para que, aquilo que é inadequado para um cristão passe a deixar de sê-lo.
A questão é:
E essa bebida (sem citar marcar representativa) sem álcool, crente pode beber?

Como mencionei acima, não aprecio tais polemicas que são e servem de "muletas" para uns que persistem em tornar licito aquilo que é ilícito, e ainda irá causar escândalo para muitos.

Sabemos que, a afirmativa "zero de álcool", "não é tão zero de álcool assim" então beber por que? Sabemos que é uma droga, e como tal pode causar dependência, atuando no sistema nervoso central e causando mudanças de comportamento. Então beber por que?

Mas Pastor, diz novamente o irmão insistente, só vou tomar um pouquinho, só uma dose mínima, só no final de semana (do ano todo!), só nas festas de aniversário, casamento, noivado, formatura, encontro com os amigos, depois do trabalho (para descontrair) só nestes momentos de alegria.
Nossa pastor! Ouço repetidamente, como o senhor é radical!

Nisto respondo-lhe: - Momentos de alegria?
Nossa alegria vem do Senhor e não de uma garrafa de bebida impropria para nós.
Podemos afirmar que, nestes momentos, que não serão poucos, o "vicio" se alojará. A bebida alcoólica, além de descometida alegria, causa, ou melhor, provoca falta de coordenação motora, sono e descontrole. Além do que, com o passar das "doses", ou melhor, dias ou seria anos, os efeitos serão sentidos no fígado (cirrose hepática), na dependência química (vicio), nos relacionamentos interpessoais (problemas sérios), atrapalhando a convivência familiar e profissional. Podendo afetar também o coração e o estomago. Então continuo com a minha posição, beber por que? Não ajuda em nada, não traz alegria (real) nenhuma!

Mas, infelizmente alguns, se tornam cegos e surdos preferindo (escolhendo), permitindo, que esta "droga" que faz tanto mal, causa tantos problemas ao ser humano, continue assolando suas vidas. Destruindo seus passos e escurecendo seus futuros.

Vamos um pouquinho mais além, a Bíblia nos revela que somos templo e morada do Espírito Santo, sabemos que também precisamos cuidar do templo do Espírito Santo (nós), e tenho convicção que Ele não habita em templo sujo, neste caso, impuro, descontrolado, com "vicio" no seu interior.

Então, por que beber se conheço que atingirá meus princípios, moralidade e ainda desagradará meu Senhor!
Não se arrisque!
Você se conhece? Então fuja da aparência do mal!
Abstenha-se da aparência do mal!

Romanos 6.16, Paulo exortou: Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?

Não seja escravo de bebida alcoólica nenhuma!
Cuidado com os disfarces que nos são apresentados (presentes) todos os dias!
Cuidado com o escândalo! Temos a advertência pela Palavra de Deus (Lucas 17.1)
Não enfraqueça teu irmão (Romanos 14.13)

Há situações que parecem boas mas no final só se encontrará a morte!

Seja forte! Resista!
Mas, como sempre, haverá alguns que dirão: - mas Jesus serviu vinho em uma festa de casamento. Realmente, a água foi transformada em vinho e não a uva.


Agora, gostaria que, junto comigo, meditássemos, um pouco sobre: 
Sou Templo do Espirito Santo!
Tenho, e acredito que você também tenha o conhecimento que, somos Templo do Espírito Santo de Deus. Sendo assim, precisamos desejar manter o templo puro, ornado, integro, receptivo para a entrada do seu morador.

A Bíblia nos relata que, precisamos deixar nossa casa habitada pelo Espírito de Deus e não consintamos que fique vazia. Cuidado com os intrusos!
Vejamos:
- Casa adornada, limpa e arrumada mas vazia, então ao permitir que se entre algo improprio para sua beleza, outros infortúnios entrarão e, os demais serão bem piores do que o primeiro.
- Casa adornada, limpa e arrumada com morador, a situação é bem diferente. Há controle, há temor, há obediência, há cuidado, zelo, respeito, moralidade, prudência, sobriedade, paz, comunhão.
Paulo em sua carta aos coríntios os adverte duas vezes; "Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?" I Co 6:19  e  "Não sabeis vós que sois santuário de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?" ICo 3:16.

Será que temos noção da presença do Espírito de Deus em nós?
Adianto que, existiam e existe homens e mulheres de Deus que não tem noção disso.

O Cristão, o crente, o evangélico, use o adjetivo que preferir, pode perder o Espírito Santo, e se tornar vazio, mesmo sendo "crente". Lembremos de Davi, pecou, fez algo que sabia que poderia ser evitado, fez algo que sabia que não era para fazer e ficou temendo:
"Não me lances fora da tua presença, e não retire de mim o teu santo Espírito." Salmo 51.11

Por isso, não arrisquemos com a sorte e preservemos a comunhão com o Pai.
Oriento a todos que me perguntam sobre este assunto a não tomar! Não beber! Não tomar!
Não de lugar ao "inimigo" da tua alma!
Lembre-se: um abismo chama outro abismo!
Não caia na tentação, peça que Deus livre-o desse mal!
Honre, dignamente o chamado de Deus na tua vida! 
Cuide de sua Família! Sacerdote do lar!

Beber é desculpa de cristão desviado; é desculpa de convencido e não convertido!


Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus.
Aqui eu Aprendi!

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Lance a semente! Vai valer a pena!

“Então te dará chuva sobre a tua semente, com que semeares a terra...” (Is 30.23).

Quando falamos em semente, logo nos vem a mente a Palavra que se encontra no Livro de Salmos 126.5,6:
Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.
A preciosa semente é a Palavra de Deus.
Todo pregador sabe que, geralmente, quando vamos ministrar passamos por “provações”, "situações" que tentarão nos impedir de falar do amor de Deus, neste momento, percebemos que, mesmo chorando devemos levar o Evangelho e divulgar o sacrifício do Filho de Deus, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Logo que os impedimentos (medos) são superados, nasce em nossos corações uma alegria imensa e, maior contentamento se faz ao vermos a Palavra fluir livremente na Igreja, aleluia!
Vaso de Deus, não pare de levar a Preciosa Semente!
Pela manhã semeia a tua semente, e à tarde não retenhas a tua mão; pois tu não sabes qual das duas prosperará, se esta, se aquela, ou se ambas serão, igualmente boas. (Eclesiastes 11.6)

Semear sem nos envergonhar, semear com paciência, semear com alegria, semear com amor. Podemos mencionar quando, logo no primeiro emprego, como desejamos semear, queremos logo mostrar o que sabemos fazer, saímos semeando pra todo lado. Esperamos logo chegar a um cargo “excelente” de destaque e, não medimos esforços para atingir tal objetivo. E, porque não falar nas situações onde, para alcançar tal posição, choramos, sofremos, temos que realizar escolhas, tudo para podermos colher bem no final.

Vivemos semeando “sempre”, imagine o quanto foi semeado no momento dos estudos, lembra? O quanto foi semeado nas boas amizades, nas boas notas, mostrando aos nossos professores e nossos pais que aprendemos bem a matéria, ser o orgulho para o papai e para a mamãe, para os avos, já pensou, quantas sementes foram lançadas, nossa foram muitas, muitas mesmo!

Nisso vão se passando os dias!
Dia a dia, vamos “colhendo” as sementes que plantamos, de certo que, por muitas vezes, lançamos, mas não colhemos de imediato, levará um tempo de desenvolvimento, com paciência, com cuidado, com persistência, veremos a colheita.
Temos um bom e inspirador conselho:
"Portanto, irmãos, sejam pacientes até a vinda do Senhor. Vejam como o agricultor aguarda que a terra produza a preciosa colheita e como espera com paciência até virem às chuvas do outono e da primavera" (Tiago 5.7).

Não desista de semear!
Vamos lançara a boa semente, mesmo não sabendo o que vai colher, semeie!
“Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás.” (Eclesiastes 11.1)

Li isso um dia e é verdade: Ninguém atravessa o rio se não nadar ou então ir de barco. Ninguém chega ao seu destino se não realizar a viagem. Ninguém terminará de ler um livro se não o vencer página por página. Ninguém construirá uma casa se não puser tijolo após tijolo. Como formar uma biblioteca se não colocar nela livro por livro. Como participar da minha formatura (em um curso), ou passar num concurso se não faltar a festas, deixando de lado as baladas, as rodinhas de "amigos" e se dedicar aos estudos. Como alcançar uma coisa se não abrir mão de "muitas" outras coisas.

Possamos ter em nossa consciência que, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento "De modo que, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento."(1Coríntios 3.7). Então sigamos em frente fazendo o bem, pois a seu tempo ceifaremos se não houvermos desfalecido "E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido."(Gálatas 6.9)

Estamos debaixo de uma lei espiritual: Não vos enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará. (Gálatas 6.7), esperemos no Senhor e do Senhor receberemos.

Estamos falando de sementes espirituais.
“... comparando as coisas espirituais com as espirituais” (I Co2.13).

“E dizia: O reino de Deus é assim como se um homem lançasse semente a terra” (Mc 4.26); “... o reino dos céus é semelhante ao homem que semeia a boa semente no seu campo” (Mt 13.24).

Possamos pegar o exemplo do nosso Senhor Jesus Cristo que nos ensinou a semearmos a boa semente: “E ele, respondendo, disse: O que semeia a boa semente é o Filho do homem;” (Mateus 13.37)

Não se importe com as pedradas, com as rejeições, com as dificuldades, pois quem observa o vento nunca semeará... (Eclesiastes 11.4)

Precisamos “perceber” que muitos estarão recebendo a semente, os solos poderão até estar seco, mas lance a semente. Talvez a sua atitude pareça não estar dando resultado no momento; você "ministro da Palavra" diz: lancei a semente, lancei novamente e nada, parece que a terra é dura. Mas uma coisa é certa, não se preocupe, a chuva molhará a terra e logo veremos a arvore. Esta arvore dará frutos e os frutos serão dignos. Aleluia!

Isso é Profético:
As boas chuvas de Deus regarão a terra e os solos darão suas sementes, arvores brotarão e frutos dignos surgirão.

A chuva de Deus chegará!
Chuva de provisão, chuva para o crescimento, chuva para regar a terra que esteve seca.
Essa chuva vai trazer de volta a Vida, a Esperança, a Alegria.
Chuvas de Renovação. Aleluia!

Certamente suas lagrimas regaram a terra e, com cânticos de jubilo veras os frutos. (Jesus está no controle "total")

SEMEIE, NÃO SABEMOS QUANDO VAMOS COLHER, OU QUAL DAS SEMENTES DARÁ O FRUTO PRIMEIRO, MAS CERTAMENTE VEREMOS; COLHEREMOS.

Em difíceis momentos, você plantou a semente chorando, o solo onde foi lançada estava “podre”, estava “misturado com drogas”, estava “embebecido com álcool”, ouviu rumores de muitos a gritar, pare não vale a pena desperdiçar teu tempo com isso ai, mas Jesus disse, e continuará dizendo, para você: Lance a semente, vai valer a pena!

Muitos podem estar pensando, não vale a pena lançar esta tão boa semente neste solo tão árido, mas Jesus nos diz: Lance a semente, vai valer a pena!

A situação é drástica, está doendo fazer este plantio, estou me machucando, estou sangrando, mas Jesus nos diz: Lance a semente, vai valer a pena!

Mas como lançar a semente se o que eu mais queria, mais desejava, não tenho, perdi, tiraram de mim, mas Deus nos diz: Lance a semente, vai valer a pena!

O sofrimento foi grande, a dor foi terrível, o escarnio foi muito, a vergonha que passo para levar esta semente está sendo demais, mas Deus diz: Lance a semente, vai valer a pena!


Jesus, na cruz do calvário fez isso por mim e por você e hoje, se lembrarmos de onde nos estávamos, como éramos sujos, não acreditavam em nós, não davam nada por nós, diziam; esse ai não vale nada!
Mas Jesus acreditou! ELE ouviu o seu clamor! O Filho de Deus, Jesus, deu a Sua própria vida por você e por mim, para que todo aquele que Nele crer não pereça, e ELE ainda nos diz: Por você valeu a pena!


O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti; o Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz.


Veja o vídeo, vai valer a pena!


 
Para assistir o Vídeo dê pausa no áudio no topo da pagina do blog (rádio gospel)

Deus abençoe!
Pastor Ismael

Aqui eu Aprendi!

domingo, 12 de janeiro de 2014

Quem é você? De onde veio? Para onde vai?

Certo jovem, incumbido na faculdade de elaborar um texto filosófico, afastou-se da correria da cidade para uma região rural, a fim de poder refletir com mais tranquilidade. Sentado embaixo de uma frondosa árvore — com aquela pose de pensador, parecendo Rodin no seu bronze — pôs-se a arrazoar sobre as três grandes indagações da Filosofia: Quem sou? De onde vim? Para onde vou?

Apesar de essas questões atravessarem milênios, alimentando a dialética dos grandes pensadores, o jovem (que fora orientado em seu curso a questionar) não se cansava de perseguir respostas, ainda que não fossem conclusivas. Ele não tinha a ambiciosa pretensão de obter respostas definitivas, mas elas aguçavam mais e mais o seu senso crítico.

Após fazer alguns apontamentos acerca do que pensara, avistou no horizonte uma pessoa que rapidamente se aproximava. Era um homem com uma aparência muito simples, trajando camisa xadrez — bem desgastada — e calça de tergal. O rosto dele, sombreado pelo chapéu de palha, apresentava-se visivelmente sofrido pela ação do sol. Os seus pés descalços e uma enxada sobre o ombro direito completavam o quadro.

— Bão dia — disse o homem. — Bom dia — respondeu o acadêmico. Curioso, ao ver tantos livros espalhados, o trabalhador do campo perguntou ao universitário: — O sinhô é dotô?

A pergunta soou um tanto inocente para o jovem, que respondeu, segurando-se para não dar uma gargalhada: — Ainda não... — Devi di sê priciso istudá muito pra modi sê dotô. Nóis da roça num sabemo assiná nem o nome — insistiu o sertanejo na conversa. O rapaz, então, resolveu fazer uma brincadeirinha: — Para se tornar um doutor basta apenas responder três perguntas: Quem é você? De onde veio? Para onde vai? Admirado com o que acabara de ouvir, o roceiro respondeu: — O sinhô deve di tá brincando; quem é que num sabe respundê isso? Inté os minino piqueno sabe disso. Sou Zé Cipriano, venho da roça e vo pra casa armoçá. O sinhô num sabe isso não, dotô?

Essa historinha mostra que o fato de alguém ser um acadêmico não lhe confere capacidade para responder às tais perguntas. Há muitos mitos teóricos, que, devido às sucessivas vezes em que foram abordados, cristalizaram-se, transformando-se em “verdades” inquestionáveis. É estranho o fato de pessoas admitirem que são produtos do acaso. A negação da humanidade do homem provém da falta de pensar dos que abraçaram uma crença absurda e ultrajante, que só gera um sentimento depreciativo da humanidade, uma negação de sua origem e de seu propósito. Como conceber que o Universo e a própria vida, com toda a sua complexidade, são resultados de uma involuntária reação química em um lago primordial? Bem mais simples, porém lógico, coerente e exequível, é abrir mente e olhos, e reconhecer, ante as evidências, a nossa honrosa projeção por um Criador, e a necessidade urgente de nos relacionarmos com Ele.


A pergunta inquietante é: Para onde você vai? Jesus Cristo, o único Salvador, disse:

Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.

“Vês aqui, hoje te tenho proposto a vida e o bem, a morte e o mal” (Deuteronômio 30.15).

“Então, Elias se chegou a todo o povo e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o; se é Baal, segui-o. Porém o povo nada lhe respondeu” (1 Reis 18.21).


"Agora, pois, temei ao Senhor, e servi-o com sinceridade e com verdade; deitai fora os deuses a que serviram vossos pais dalém do Rio, e no Egito, e servi ao Senhor.
Mas, se vos parece mal o servirdes ao Senhor, escolhei hoje a quem haveis de servir; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do Rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais. Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor." (Josué 24:14-15)

Bem, existem dois caminhos; a escolha é sua: basta pensar; e aceitar o sacrifício de Jesus.

Caminho da Porta Larga: Alude ao modo de viver descuidado e pecaminoso do ímpio – é mais fácil ser vingativo e avarento, aproveitando-se dos outros para enriquecer-se, do que andar pela regra de ouro (Mateus 7:12).
Este caminho largo é o caminho que conduz ao inferno – o nome dessa porta é EGOÍSMO.

Caminho da Porta Estreita: Uma passagem "larga" o suficiente para "passar" entrar uma pessoa de cada vez – Como é difícil dar estes passos para Deus! – Precisamos vencer todas as inclinações naturais (Lucas 13:24), lute com todas as suas forças, insista com todo o teu entendimento em entrar por esta porta.

Este caminho estreito nos conduz a vida eterna – o nome desta porta é JESUS.

A porta estreita exige obediência rigorosa à regra de ouro.
“Portanto tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lo também vós, porque esta é a lei e os profetas” Mateus 7:12


Espero que, sem preconceito, reconsidere as suas convicções e opte pelo lugar que Deus projetou para os que o aceitam. Receba Jesus em seu coração; aceite como Salvador e Senhor aquEle que disse:
"Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens." (João 10.9)

“Ao que vencer, lhe concederei que se assente comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentei com meu Pai no seu trono” (Apocalipse 3:21)


Sugestão para leitura:
Aqui eu Aprendi!

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

A Guerra dos Seis dias

Com uma ação militar fulminante, Israel conseguiu com a Guerra dos Seis Dias derrotar o Egito, a Síria e a Jordânia, além de ocupar parte dos territórios desses países.

Guerra dos Seis Dias foi a guerra mais curta que existiu dentre os conflitos árabes-israelenses. Ocorrida em julho de 1967, ela foi uma ação surpresa realizada pelas forças armadas de Israel contra o Egito, a Síria e a Jordânia.

Conhecida também como Terceira Guerra Árabe-Israelense, a Guerra dos Seis Dias estava envolta em uma escalada de violência verificada entre alguns países do Oriente Médio.

Guerra dos Seis Dias, assim ficou conhecida a guerra que confrontou Israel e os seguintes países árabes:
Egito, Jordânia e Síria, com o apoio do IraqueKuwait, Arábia Saudita, Sudão e Argélia. A guerra pelo controle do Canal de Suez tinha deixado uma situação onde outra guerra poderia acontecer a qualquer momento.
Cerca e placa de informação sobre existência de minas terrestres nas Colinas de Golã, colocadas durante a Guerra dos Seis Dias
Cerca e placa de informação sobre existência de minas terrestres nas Colinas de Golã,
colocadas durante a Guerra dos Seis Dias
Israel, que tinha ocupado a península do Sinai (Egito), concordou em retirar suas tropas desde que o Egito deixasse de apoiar as ações da guerrilha que partiam daquela região. Em lugar das tropas de Israel a ONU ficou administrando a península do Sinai.

No entanto o governo egípcio, apoiado pela URSS, continuou ajudando as diferentes facções guerrilheiras que atacavam o estado hebreu. Em maio daquele ano, tanto árabes como israelenses já estavam mobilizando suas tropas. O Egito bloqueou o golfo de Aqaba, rota vital para a navegação de Israel, ato considerado pelo governo israelense como uma agressão.

As hostilidades começaram no dia 5 de junho com um massivo ataque preventivo por parte de Israel que destruiu a capacidade aérea dos países árabes, em três horas a aviação de Israel destruiu a maior parte do arsenal aéreo do Egito, 319 aviões que nem chegaram a decolar. Isto aconteceu depois do estado israelense ter verificado com seus radares a movimentação de tanques e aviões movendo-se em direção à fronteira entre ambos os países. As perdas israelenses somaram apenas 19 aviões.

Assim, as tropas israelenses avançaram por terra rapidamente, ocuparam a Faixa de Gaza e chegaram ao Sinai. Os israelenses avançaram em direção à Síria, ou seja, romperam as defesas árabes tanto pelo sul como pelo norte e, na Faixa de Gaza, as tropas de Israel fizeram cessar o esforço militar que unia egípcios e palestinos. No mesmo dia a Jordânia entra na guerra. Os aviões jordanianos começaram a bombardear as cidades israelenses, especialmente Jerusalém. A reação hebraica foi imediata e contundente: começaram a tomar posições jordanianas perto de Belém e ao sul de Ramallah e bombardearam Amman e Mafraq.

Quando, no dia 10 de junho, os combates cessaram, Israel controlava a totalidade da península do Sinai, a Faixa de Gaza, Cisjordânia (com a totalidade da cidade de Jerusalém) e as estratégicas colinas de Golã, na Síria. Desta forma, Israel tinha conquistado um território quatro vezes maior que o seu em 1.949, e albergava em suas novas fronteiras uma população árabe de 1,5 milhões.

Portão de Zion, em Jerusalém, cravejado de balas usadas durante a Guerra dos Seis Dias
Portão de Zion, em Jerusalém, cravejado de balas usadas durante a Guerra dos Seis dias  






A ONU interviu no conflito conseguindo um cessar-fogo. Porém, Israel não aceitou a devolução dos territórios ocupados dos países vizinhos. Essa postura unilateral resultou anos depois em um novo conflito, a Guerra do Yom Kippur, quando o Egito e a Síria atacaram simultaneamente Israel para retomar as terras ocupadas.

Fonte: Infoescola; Brasilescola

Aqui eu Aprendi!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...